A iluminação natural deve ser pensada na fase inicial de um projeto arquitetônico. Se isto não ocorrer, provavelmente serão necessárias adaptações em etapas posteriores ao projeto. Porém, se o projetista possuir algum instrumento de análise e projeto que o auxilie na avaliação da iluminação natural na fase inicial do projeto, isto é, de definição do partido e  estudos preliminares, pode evitar modificações no projeto em suas fases finais.

Com esse objetivo foi elaborado o presente programa, visando subsidiar alunos e profissionais de Arquitetura e Urbanismo na definição dos aspectos de iluminação natural do projeto arquitetônico.
O programa, que se destina a analisar a iluminação natural de edificações construídas ou não (em fase de projeto), foi elaborado durante o mestrado do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, no ano de 2011. Teve como base um método existente de análise e projeto com foco em conforto ambiental e iluminação natural denominado Diagrama Morfológico (AMORIM, 2007).

A análise está dividida em quatro partes, a saber:

  1. Primeira parte: preenchimento dos dados referentes à ficha técnica do projeto e ao clima da cidade onde se encontra o projeto em análise;
  2. Segunda parte: Nível I – análise referente ao Espaço Urbano;
  3. Terceira parte: Nível II – análise referente ao Edifício e;
  4. Quarta parte: Nível III – análise referente ao Ambiente.

Antes de iniciar a análise alguns esclarecimentos são necessários:

Deve-se primeiramente escolher o ambiente que será analisado para posteriormente dar início à análise. Este deverá ser representativo do edifício (uma sala de aula numa escola, ou um escritório em um edifício comercial) ou que potencialmente apresente algum problema com relação à iluminação natural ou conforto ambiental.
Em todos os parâmetros existem observações que subsidiarão a análise do projeto (entrar no link + Informações). Essas informações devem ser lidas atentamente antes de escolher a variável que melhor se adéqua ao projeto analisado. As informações são embasadas no referencial bibliográfico, normas e regulamentos já existentes.
Em seguida, deve-se proceder à avaliação de cada variável, considerando a iluminação natural no projeto em análise, conforme uma escala numérica e de cor que varia de 1 a 6, onde 1 = muito ruim (cor vermelha), 2 = ruim (cor laranja), 3 = razoável – (cor amarelo escuro), 4 = razoável + (cor amarelo claro), 5 = bom (cor verde claro) e o 6 = muito bom (cor verde escuro).

Mr
Mb
1
2
3
4
5
6

No final da análise há um campo destinado à análise crítica referente ao projeto. Nesse campo, o autor da análise deverá descrever de maneira sucinta os aspectos relevantes (positivos e negativos), com ênfase na iluminação natural do projeto analisado.
Para realizar a análise serão necessários dois softwares, o Sol-Ar e o ZBBR (Zoneamento Bioclimático do Brasil), gratuitos e de fontes confiáveis. Os links dos sites referentes a esses programas serão informados no decorrer da análise.

Ao final do processo da análise, será gerado um relatório síntese com todos os dados referentes ao projeto que foi analisado. Tudo que foi avaliado, seja positivo ou negativo, aparecerá no relatório final com uma demarcação referente às cores da avaliação (de vermelho a verde, conforme legenda apresentada anteriormente) para alertar visualmente e de maneira rápida as questões que estão bem resolvidas (cores verde claro e verde escuro) e as que estão mal resolvidas (cores laranja e vermelha) no quesito iluminação natural.

Com esse método de análise pretende-se que o projetista possa perceber no decorrer do preenchimento do Diagrama Morfológico se o projeto atendeu ou não às necessidades de iluminação natural.
É importante esclarecer que todas as análises projetuais realizadas com esse programa serão armazenadas nessa página e serão de domínio público, com o intuito de criar um banco de dados de projetos referenciais para alunos e projetistas.